it's over (again) ♥'

« no interior de mim continuarás a ser quem sempre foste, a tua imagem em mim não mudou, continuas a ser o pedacinho de chocolate que sempre foste, mas garanto-te que por fora vou ser dura, estúpida e arrogante, e prometo-te ainda que não farás mais de mim o teu esconderijo, o teu silêncio, que não farás mais de mim uma das tuas conquistas. porque tu já brincaste comigo e com tudo o que sentia demasiadas vezes. mas eu sempre me considerei um pouco mais na tua vida, ao ponto de acreditar que nunca serias capaz de fazer comigo e de mim o que fazes com qualquer uma das meninas dessa tua enorme lista. mas ainda assim, de certa forma fizeste-o. não tão directamente, mas fizeste-o. mas eu sei que fui diferente, tenho bem presente em mim o valor que tinha em ti, o valor que tínhamos, o que fomos e o que já não somos. e é com orgulho que te deixo, que me perdes. é também com orgulho que continuas a ser meu, porque bem cá no fundo serás sempre lembrado, seremos sempre lembrados, quer para o bem, quer para o mal. eu tenho absoluta certeza disso. lembras-te de todos os momentos? de todos os nossos beijos? de todos os nossos apoios? de todas as nossas noites? lembras-te das tristezas e das alegrias? lembras-te das despedidas e das chegadas? lembras-te dos pesadelos e dos sonhos? lembras-te das esperas e dos atrasos? lembras-te dos abraços e de toda a protecção? lembras-te de todos os dias, de todas as horas e de todos os minutos? lembras-te de todos os detalhes e silêncios? lembras-te daquele gelado dia de chuva torrencial em que vieste a minha casa quase ás onze da noite só para dizeres que me amavas e que tudo o que me tinham dito era mentira? lembraste de que eu fiquei do teu lado? lembras-te de que eu acreditei em ti, independentemente de tudo? lembras-te de todas as vezes em que te defendi com unhas e dentes? lembras-te de todos os sacrificios e barreiras que superei por ti? lembras-te de mim? de como eu era? de como nós éramos? lembras-te de nós quando ainda nem existíamos? lembras-te daquela primeira noite? lembras-te daquela enorme mesa ao fundo daquele pequeno restaurante? lembras-te daquele ice tea? lembras-te daquele sorriso? lembras-te daquela lua? eu lembro. lembro-me tão bem de ti. lembro-me do primeiro beijo. lembro-me da primeira mensagem. lembro-me do primeiro dia e da primeira hora em que me disseste que querias ficar perto de mim e que eu era sem dúvida nenhuma a mulher da tua vida. lembro-me de cada hora que chorei por ti. lembro-me de todas as horas e dias em que fizeste de mim a mulher mais feliz de todos os tempos. mas também me lembro de te ver virar as costas. de te afastares de mim. de teres ignorado tudo o que te disse, tudo o que fiz e tudo o que dei. lembro-me de todas as tuas tão conhecidas conquistas depois de mim. lembro-me de todas as noites que passei em branco a reviver tudo a tentar perceber como é que tudo mudou tanto numa questão de segundos. lembro-me de ficar paralisada, à espera que chegasse a hora. a nossa hora. porque ambos sabemos que houve uma hora, num lugar qualquer, em que nos cruzamos. e eu sei que ficamos por lá a inventar histórias e a desenhar sonhos na palma da nossa mão. lembro-me das tuas promessas e das minhas. agora ? agora perdemo-nos por aí, nas ruas da nossa eterna cidade. agora cada um seguiu o seu caminho. agora ambos estamos em sítios diferentes com pessoas diferentes. agora estamos bem, estamos inteiros. agora (re)começou mais uma página minha, sem um V. no inicio de cada frase (...) »

(amei-te, mas acabou !)

1 comentário:

  1. Há dias, horas, minutos, segundos para se contar cada momento pela qual passamos, onde usufruimos de grandes momentos, de grandes histórias para viver e serem contadas...Tudo isso designa-se por horas de amargura, felicidade, até mesmo afecto.
    Porém, tudo aquilo que fazemos, aquilo que desejamos, não passa dum simples passo para algo que queremos ser...

    ResponderEliminar