without you ♥

« aqui sentada, penso em nós e tenho medo. tenho muito medo. de perder esse sorriso, de perder esse amor que me preenche o corpo e a alma. tenho medo que tudo mude e que vás de vez. se calhar tudo isto não passa de um descargo da minha alma, de um cansaço de tudo o que vivemos e que eu não aproveitei a cem por cento. e hoje, penso em todas as brigas parvas, em todas as histórias mal resolvidas, e é tudo tão estúpido, sabes ? passei parte da minha vida a lutar pelo que queria e sentia , mas agora sinto-me tão incapaz (...) . dizem que tudo tem uma razão de ser e que nada é por acaso, mas hoje descobri que não. que não quero, nem vou, acreditar mais nisso. hoje, por sentir a tua falta refugiei-me aqui . mas faltou-me a coragem e toda a força que que sempre pensei ter, faltou-me a tua mão a segurar a minha e vim-me abaixo. por isso, hoje, só te peço que nunca duvides do que eu sinto e que nunca desistas de nós. que me desculpes por ter fracassado, por mais uma vez ter sido insegura, e por não ser a melhor namorada do mundo. sabes, por pequenos minutos ao sentar-me aqui, sorri por tudo o que vivemos e que não vivemos, por todas as gargalhadas dadas juntos, por todos os abraços, por todas as promessas feitas em céu aberto, por todas as barreiras que enfrentamos e derrubamos juntos, por tudo o que foi dito, prometido, vivido, sentido e escrito aqui (...) . talvez seja só impressão minha, talvez seja só a insegurança a falar mais alto, mas sinto-te distante, sinto-te cada vez mais desligado de mim, e se tu soubesses o quanto tento não pensar nisto, se tu soubesses o tamanho daquilo que trago em mim desde aquele primeiro sorriso, talvez conseguisses ter uma pequena noção de tudo o que sinto e do quanto está a ser difícil estar aqui sentada, neste nosso eterno refúgio, a escrever para ti . porque estas paredes estão cobertas de nós . dos nossos momentos, das palavras, dos abraços, dos beijos roubados, dos olhares mudos, de ti , de mim, de nós juntos, num só corpo, numa só alma, num só coração (...) . desculpa, mas não consigo dizer-te mais nada a não ser que tenho saudades de ti e de nós e que te amo com a minha própria vida ! »

- escrito a 01-03-2011

1 comentário: