today (...) ♥

« há dias em que tenho toda a força do mundo, para lutar por mim, para seguir em frente, mas há outros em que só tenho vontade de baixar os braços e de me deixar levar pela corrente que teimo em tentar mudar. mas já não há nada que me prenda aqui, por muito que me custe admiti-lo e dizê-lo é verdade. e para mim chega ! chega de me tirares todas as forças que fazem parte de mim, chega de me atirares ao chão e me olhares como se não tivesses culpa de nada, chega destes joguinhos do gato e do rato, porque já está mais do que na altura de desapareceres da minha vida, para sempre. e nunca, nunca mais voltes, é a única coisa que te peço. porque no fim de contas, mal ou bem, ambos sabemos que sim, que juntos fomos tudo e nada, que tivemos o mundo na palma da nossa mão, mas a única razão de termos sido o que fomos, de neste momento sermos (ou não) o que somos e de virmos a ser o que seremos, desvanece-se por completo, mais dia, menos dia. e sim, não te vou mentir, tenho medo, sempre tive. mas por mais que o tenha e que me doa saber que já nada mais há a fazer e que independentemente de tudo irei continuar a chorar pela tua ausência, prefiro que hoje seja tudo deste modo. porque foste a melhor e a pior fase da minha vida, porque foste o meu melhor e pior momento, porque foste o sorriso mais espontâneo e a lágrima mais sofrida, porque me entreguei a isto com tudo o que tinha, porque juntos fomos mais do que qualquer pessoa acreditaria que conseguíssemos ser, porque crescemos, aprendemos e vivemos imenso juntos. mas por mais noites que eu venha a passar em branco, a tentar (mais uma vez) perceber onde é que afinal falhamos para termos acabado deste jeito, em lugares e mundos diferentes, por mais forte que seja esta incerteza sufocante e este aperto no peito, eu hoje desisto de ti. não sei por quanto tempo mas desisto. porque hoje, não aguento mais. e prometo-te, a ti, a mim e ao mundo que hoje não vou derramar nem mais uma lágrima que seja por ti. embora saiba que não vai ser fácil, porque tu corres em mim, mas eu vou aprender com tudo isto e vou deixar de olhar para este romance como um assunto por resolver, mas sim como uma boa parte de mim que está morta e enterrada, porque afinal, para ti não passamos disso mesmo, de um assunto morto e enterrado ! »

the end ! ♥


« foi no dia 20 de Abril às 00:13h da manhã. foi nessa noite. foi nessa noite que fiz uma promessa a mim mesma. promessa essa que tenciono cumprir, para sempre. dê o (meu) mundo as voltas que der. e não, não me julgues, não me respondas com esse teu jeito de revolta-corações, e nem sequer te atrevas a dizer que posso estar a cometer um erro. por favor, não o faças. porque se hoje estamos assim a culpa não é minha. TU magoaste-me, TU fizeste-me passar pela maior dor de todas, Tu quebraste todas as promessas que um dia te lembraste de mandar pela boca fora, TU destruíste tudo de mim, Tu destruíste tudo o que tínhamos. desde os bons aos maus momentos. e sim, não minto nem nego, eu irei amar-te incondicionalmente até ao fim, porque sempre foste o melhor de mim, o homem certo, o homem da minha vida, a pessoa com quem poderia passar o resto da minha vida. porque sempre fomos (tragicamente) demasiado iguais. fizeste-me voltar a acreditar que o amor realmente existia. fizeste-me sentir segura como ninguém foi capaz de o fazer. fizeste-me bem. fizeste-me tãoooooooo bem. mas nessa noite, acabou. e eu não preciso de te dizer o quanto vou chorar e querer voltar atrás, o quanto me vou sentir mal quando a minha noite cair e me abraçar os medos e me fizer perceber que isto é mesmo o nosso fim, porque tu podes ser tudo, mas burro tu não és. não és burro nem cego. porque tu sabes que acima de tudo, irás sempre ser a pessoa mais imprescindível na minha vida, porque mesmo depois de tudo o que fizeste, tu sabes que continuas a ser a pessoa que, hoje, melhor me conhece no mundo. mas eu não conseguia estar assim muito mais tempo. não conseguia andar naquela maldita incerteza que todos os dias espalhavas em mim. não dava. e por isso, vou afastar-me. e não penses que te odeio, ou que te desejo o maior mal do mundo. porque tu sabes que eu não sou assim. aliás, nunca fui. hoje só quero mesmo que sejas feliz, muito feliz. porque eu sei que tu não és esse lixo de gente que teimas em mostrar ao mundo ser. eu conheci-te como ninguém. eu conheci e amei o outro lado de ti. e será sempre esse teu lado que jamais irei conseguir apagar de mim. e porque sei que um dia, irei ser capaz de ser feliz sem ti. mas para isso, preciso de te conseguir arrancar de mim, de uma vez para sempre. e, por isso, só te peço para que não voltes, para que não te arrependas, para que esqueças o meu nome, para que não me ligues, para que não me fales, para que esqueças tudo, para que simplesmente faças de conta que eu nunca existi. eu e nós. por favor. é o melhor, tanto para mim como para ti. desculpa, mas sim, hoje (sem qualquer tipo de retorno) acabou de vez ! » 


- ( THE END ! )

it's really over ♥


« tu fizeste-me lutar por ti como nunca tinha lutado por ninguém. deste-me razões para continuar aqui para ser feliz contigo. e eu só queria fechar os olhos e ter-te aqui de novo. só queria estar contigo, estar verdadeiramente perto de ti, ouvir a tua voz, sentir o teu cheiro em mim (mais uma vez). e eu mostro-me forte, mas eu não consigo mentir-te. não consigo dizer-te que já não és nada em mim, e que apaguei tudo da minha memória com uma borracha, é-me impossível. porque eu sei o que sinto por ti, eu sei o quanto lutei, eu sei o quanto fiz por ti, eu sei o que fui em ti, eu sei o quanto te amei, o quanto te desejei, o quanto sofri, o quanto chorei, o quanto me rebaixei por isto, o quanto sinto saudades e sobretudo o quanto eu aguentei tudo isto, durante tanto tempo. porque tu sempre foste em mim mais do que devias. porque tu sempre foste demasiado em mim para eu te conseguir perder, para eu te conseguir deixar ir sem fazer nada. mas só ao fim de tanto tempo contigo, é que eu conheci a pessoa que existia em ti que eu não fazia a mínima ideia que ainda existia, a pessoa que me fez sofrer, que me desiludiu, que desistiu de tudo o que fazia parte de nós, que me causou uma dor tão grande e insuportável, uma dor que é como morrer e voltar a morrer mais umas mil vezes. mas mesmo assim, depois de todas as feridas abertas, eu continuo a ter imensas saudades tuas. das promessas inquebráveis, da esperança incansável, da felicidade interminável. eu continuo a amar-te da mesma maneira e a precisar de ti como sempre precisei. sim, eu admito. preciso das tuas palavras, da tua força, do teu sorriso de puto reguila, da tua simplicidade, do teu jeito, da tua maneira, do teu amor, de nós. porque tu és saudade em mim. e eu nunca senti isto por ninguém, nunca lutei desta maneira sequer. eu AMO-TE. e apesar de tudo pelo que me fizeste passar, eu sempre me culpabilizei por tudo, sem ter feito nada. rebaixei-me, mostrei-te o  quanto precisava de ti, mostrei-te que sem ti era demasiado fraca para continuar.  e tu mostraste-me o quanto fui em ti, quando me trataste com toda aquela indiferença e desvalorização, e mesmo assim eu cedi a tudo o que disseste e pediste, e mesmo assim eu continuei aqui á tua espera. e agora só permanecem as memórias de nós. aquelas que nunca vou conseguir apagar ou arrancar de mim, por muito tempo que passe. Mas queres que te seja mesmo muito sincera ? há dias em que te ‘odeio’ tanto, mas tanto. de uma forma doentia e nojenta. ‘odeio-te’ por me teres feito passar pela dor mais dolorosa de todas. ‘odeio-te’ pela indiferença que demonstras por mim e por tudo o que se passou. e por muito que me digam, que também sofreste, que também fui importante para ti, eu já não consigo mais acreditar nisso. porque quem ama, não desiste. porque quem ama, luta. porque quem ama não faz nem metade do que me fizeste. e tu só pensas em ti e nessa tua superficialidade. tu só pensas em ti e nessa enorme lista de conquistas. e eu não consigo aceitar que sejas assim, que sejas tão egocêntrico ao ponto de saberes que eu estava mal e de fingires que não se passava nada. o filipe por quem eu fiz tudo não é assim. como é que consegues mostrar tanta indiferença perante tudo? eu ‘odeio-te’ tanto, quando dizes que tudo foi importante para ti, quando simplesmente te estás a cagar para isso. revoltas-me, confundes-me. persegues-me e és o eco em mim. e eu queria tanto que a nossa história fosse para sempre e não que fosse curta e inesquecível enquanto durasse, porque nunca te pedi que a nossa história fosse perfeita, pedi-te apenas para que ficasses comigo. e houve (e há) alturas em que chorei de raiva, de ódio, de amor, de saudade e até mesmo arrependimento. ainda hoje choro, porque continuo a amar a imagem que tenho de ti, não essa máscara que puseste para enganar o mundo que te rodeia. porque tu nunca foste (mais) uma paixoneta de crianças, muito menos uma panca do momento. tu foste e és o único e verdadeiro amor da minha vida, sempre o foste. a verdade é que agora és só mais uma prova de que o tempo não é a cura para todas as feridas e que amor que é amor nem sempre permanece para sempre ! »

( e um mês se passou ! 20* )

one more time ♥'

« quando é que isto vai acabar ? quando é que vais parar um pouco para me dizeres o que é que afinal queres de mim ? quando é que este vaivém psicológico vai acabar ? quando é que vais deixar de virar assim a minha vida, completamente do avesso ? quando é que vais deixar de ter tanto poder sobre mim ? quando é que vais sentir tanto a minha falta que vais ter que voltar de vez ? quando é que vens para ficar ? quando é que te vais deixar destas perdas de tempo ? quando é que te vais deixar deste jogo do rato e do gato ? quando é que vais decidir se vais ou se ficas ? quando é que vais deixar este lixo que tenho no lugar do coração em paz ? quando é que lhe dás um bocado de tempo e de espaço ? quando é que cuidas dele ? quando é que o destróis de vez ? quando é que percebes que andas a fugir daquilo que toda a gente sabe que é o nosso destino ? quando é que paras de magoar o mundo todo que te rodeia ? quando ? ó meu amor, pára . por favor . por mim, por ti, por nós . pára de me destruir desta maneira, pára de ser aquilo que sabes que (já) não és , pára com esse jogo . larga, de uma vez para sempre, essa máscara que puseste para enganar o mundo que faz parte de ti . bate com a cabeça na parede se for preciso, mas pára com isso . acorda para a vida, caramba ! reage, luta, desiste, investe, recua, avança, perde, vence, muda, decide o jogo . o dado está , onde sempre esteve . está do teu lado . tu decides . tu escolhes . tu jogas . tu mudas tudo . a mim resta-me apenas agarrar ou largar (...) »

i try (...) ♥

« queres saber a verdade f. ? sim, eu já te quis levar comigo para todo o lado, já te quis mostrar este mundo e o outro . já quis cuidar de ti, já quis pedir-te para ficares, já quis dizer-te tudo o que ainda corre em mim, mas eu não consigo ! a inveja do mundo, a malvadez do tempo e este (nosso) maldito orgulho falam sempre mais alto do que tudo o que (estupidamente) ainda faz parte de nós . e não consigo ! e hoje, não vou mais pedir-te para ficares, para lutares, para voltares, para mudares e muito menos para me amares de novo . hoje, não quero nem preciso de te dizer mais nada, porque, muito sinceramente, estou farta que tudo te entre a cem e te saia a duzentos . estou farta de me manter aqui, agarrada a pormenores, a sonhos perdidos, a promessas quebradas, a todos estes pedaços de nada, que teimas em espalhar em mim e em nós . hoje, quero simplesmente que tudo deixe de fazer sentido , que este sufoco no peito desapareça, que os eternos flashes de nós acabem, quero deixar de amar cada detalhe teu . porque sim, eu admito . tenho sentido a tua falta como nunca senti na vida, aliás tenho morrido de saudades de tudo o que éramos quer juntos, quer separados . e não vou negar isso . como aliás, nunca o fiz . tenho sentido falta de te ter comigo como todos os dias tinha, de te ver como (apesar de tudo) me habituei a ver . mas como já disse, hoje tudo isso vai deixar de importar tanto em mim . a partir de hoje, não quero nem vou falar mais de tudo isto . já não quero nem preciso de te dizer absolutamente mais nada . porque hoje o coração sente-se preparado para desistir de ti . o coração, o corpo, a alma, eu . acho que hoje percebi e aprendi que não podemos sentir falta de quem nunca tivemos, de quem não vemos, de quem nunca sentiu um único sorriso, um único olhar, de quem sempre se esteve a cagar para tudo isto . hoje percebi que sentir a tua falta era uma verdadeira perda de tempo, que iria sempre ser mais forte do que eu . mas ambos sabemos que isto só está assim porque tu queres . porque afinal nunca fizeste nada para que tudo isto desse certo . mas tudo bem, eu percebo . afinal tu nunca estiveste ao meu alcance . afinal tu nunca estiveste inteiramente aqui , do meu lado, a lutar por tudo isto . afinal eu era a única a remar e a lutar contra a maré . mas sabes que mais ? desisto ! hoje largo os remos . hoje abandono o barco, o nosso barco . hoje ele anda por aí, á deriva, á espera que alguém o agarre e lhe dê um sentido . por isso, agora faz o que quiseres . que eu vou seguir o meu caminho . com ou sem ti . vou levantar a cabeça, vou limpar todas as lágrimas que ainda teimam em cair por ti, vou recompor-me e vou finalmente dar o braço a torcer . não por ti, não por nós, mas por MIM ! por isso, hoje não te peço mais para que faças um esforço, para que lutes, para que voltes, para que realmente dês valor ao que nos pertenc(eu) , para que sintas a minha (nossa) falta, porque eu sei que não passo de mais uma carta fora desse teu enorme baralho . por isso, hoje não te peço absolutamente mais nada, a não ser para que sejas muito feliz . comigo ou sem mim . nesse teu mundo, feito de momentos e de escolhas, ou no mundo do coração de alguém . mas por favor, se ainda resta alguma coisa de mim em ti, sê feliz (!) »


- um eterno beijo leve nos lábios, coberto de mágoa e de saudade , e um 'até sempre' de coração inteiro :'c

love ♥'


« please don't blame me for trying to fix this one last time (...) »

almost lover ♥'

« sou forte, mas não sou de ferro . aguento, mas também quebro . estou de pé, mas também caio. sorrio por fora, mas morro por dentro . ignoro, mas sinto falta . finjo, mas sinto . porque ser forte, não é dizer tudo numa conversa . ser forte é ver a pessoa que amamos completamente distante de nós, e sorrir com os olhos cheios de lágrimas . ser forte, é amar de coração inteiro, e deixar partir . ser forte, é morrer por dentro, e dar a vida por alguém . ser forte, é amar alguém e abdicar de tudo por isso . ser forte, é todos os dias morrer de saudades, e não dizer uma única palavra . ser forte, é ir embora, mesmo quando tudo em nós nos pede para ficar . » :'c ♥


( ó , tu sabes . não preciso de dizer mais nada .. )

sorry, but (...) i miss you ♥


« porquê ? porque é que a saudade tem que estar em cada palavra que escrevo, em cada suspiro que dou e em cada lágrima que cai ? porque é que mesmo depois de tudo ainda permaneces, desta maneira, dentro de mim? porque é que sou tão parva ao ponto de ficar com o coração a mil sempre que fazes algo que me engloba ? porque é que até com os teus actos mais insignificantes me consegues deixar completamente desamparada e desesperada, sem nunca dares por isso ? porque é que continuo a acreditar em ti, mesmo quando só me dás facadas no coração, talvez as maiores que alguma vez me deram ? eu já quis as respostas, os porquês, as razões, já quis saber os motivos de tudo isto. mas nada faz sentido, nada se encaixa. tudo me parece ridículo, estranho e absurdo. talvez por ainda seres, apesar de tudo, o único a quem sou capaz de amar plenamente, com tudo de mim. talvez por ainda seres o único com força suficiente para me fazer voltar (sempre) atrás. mas e agora ? o que é que é suposto eu fazer ? espero que voltes a partir mais uma vez, ou simplesmente confio em ti e corro para os teus braços sem pensar no passado que durante dias me sufocou a alma e o peito ? ó meu eterno amor , eu não tenho forças suficientes para lutar contra ti, para te arrancar de mim e simplesmente fingir que não existes. e eu já quis dar a volta por cima, já quis correr para longe de ti e simplesmente seguir com a minha vida. quis e fiz um esforço. tentei, chorei, caí e percebi. percebi que longe de ti não existo, que longe de ti já muito pouco faz sentido. percebi que hoje só o tempo será capaz de mudar alguma coisa em mim. o tempo e tu. porque sim, talvez o tempo seja a minha única resposta. talvez o tempo seja capaz de me responder a todas estas dúvidas e perguntas que teimas em espalhar em mim , para as quais ninguém é capaz de formular respostas. e se nem o tempo for capaz de responder, eu não vou sair do meu lugar. eu irei manter-me onde sempre estive. irei continuar aqui, bem do teu lado, muda e quieta, à espera que te canses desse mundo, que te canses de fugir de nós, e que venhas. que te sentes nas nossas escadas e me abraces. que me expliques e me peças para ficar. mas até lá manter-me-ei assim. como ultimamente tenho estado. longe , mas sempre perto. e sabes porquê ? porque está na altura de mostrares que mudaste e que finalmente, vens para ficar. de mostrares que realmente, valeu a pena confiar em ti, lutar por ti, viver por ti. porque agora é a tua vez de lutar por isto. porque eu já espero de tudo, vindo de ti. mas, mais uma vez, bem-vindo. bem-vindo a este eterno coração, porque apesar de toda a mágoa que habita em mim, foste mais uma vez bem recebido dentro da minha alma, dentro do meu peito, dentro de mim. »

(tenho mesmo saudades tuas !)